Em 2009 o primeiro registro de um deslocamento aconteceu de modo casual.

 

Hoje, após quatro anos de trabalho e registros que geraram aproximadamente 13.000 deslocamentos, 250.000 Km de distância percorrida e 6.000 horas de coletas. Acredito ainda estar no início de uma longa jornada pessoal.

 

Na época, durante uma conversa com outros amigos usuários do sistema de fretamento de ônibus entre Campinas e São Paulo, houve um comentário a respeito do trajeto que não era mais condizente com a realidade daquele momento. A linha do fretado havia sido criada por funcionários de uma mesma empresa em Campinas e por motivo de mudança da sede da empresa para São Paulo, os funcionários acabaram contratando um serviço de transporte exclusivo.

 

Com o passar do tempo, muitas dessas pessoas saíram da linha, cedendo o lugar para outras pessoas interessadas em trabalhar em São Paulo, mas, estas mudanças não promoveram alterações no itinerário como era o esperado.

 

De posse de um smartphone que possuía um GPS incorporado, resolvi registrar os deslocamentos de ida e volta durante o período de uma semana para poder avaliar quais eram os tempos médios, localizações dos pontos de embarque e desembarque, número de usuários por ponto, etc. A partir do uso dessas informações, sugerir junto a empresa de fretamento alterações no itinerário da linha.

 

Durante uma dessas medições, coincidentemente eu estava lendo uma matéria a respeito do trabalho de alguns pesquisadores que constataram a partir de amostragens que a grande maioria das pessoas ao longo da sua vida, deslocam-se nas suas atividades diárias em um raio de aproximadamente 10 quilômetros.

 

Da janela do ônibus fretado, observando o trânsito em São Paulo as 18:00 h na Marginal Pinheiros, aquela informação não fazia sentido algum ao meu cotidiano e de tantas outras pessoas. Somente na cidade de Campinas, haviam na época cerca de 20.000 pessoas que realizavam este deslocamento entre a moradia e o local de trabalho e vice-versa, o que contabilizava algo em torno de 220 Km por dia.

 

Para simplificar os cálculos, considerei apenas os meus deslocamentos diários entre as duas cidades para chegar em um valor médio mensal. Surpreendentemente, os números chegavam a algo em torno de 5.000 Km/mês.

 

A minha curiosidade foi aumentando cada vez mais quando considerei todos os outros deslocamentos que realizamos no nosso dia a dia, tais como: caminhadas esporádicas, deslocamentos para o trabalho, saídas de carro casuais ou programadas, andar de bicicleta, correr, etc.

 

Creio que o fato de eu gostar muito de (Tecnologias, História e Geoinformática) fora do âmbito profissional contribuíram intensamente na decisão de vincular estes três Universos e convergir em uma nova modalidade de coleta de informações históricas que poderiam contribuir com outro tema que sempre me fascinou por influência do meu pai, neste caso a Genealogia.

 

Comecei a imaginar como seria em um futuro distante ter a possibilidade de não só visualizar eventos históricos de um indivíduo e/ou grupo, mas também poder contar com as variáveis do tempo e espaço associadas a estes mesmos eventos. Seria como ter em mãos uma máquina do tempo que possibilitasse o retorno ao passado das pessoas mais queridas para entendermos melhor como eram as suas atividades no seu dia a dia e quem sabe até aprender com estes eventos.

 

Nas horas vagas, recorrentemente, dia após dia fui juntando elementos e acrescentando os métodos, ferramentas, aplicações do Geoprocessamento neste cenário todo, foi então que decidi realizar um experimento pessoal neste sentido.

 

Na condição de usuário e entusiasta das mais diversas Tecnologias, tais como: PDAs, Smartphones, Computadores, GPS, etc. Resolvi fazer uso dessas combinações e tentar mapear todos os meus deslocamentos durante um período de tempo.

 

Como disse, após quatro anos, aqui estou tentando contar um pouco dessa História.

 

Resolvi utilizar um site na Web por se tratar de uma das formas mais acessíveis e flexíveis para realizar este relato.

 

Conto com a compreensão de todos quanto a velocidade de publicação dessas informações, estou tentando escrever algo que seja útil.

 

Convido as pessoas que se interessaram por este tema e que gostariam de contribuir também que utilizem os meios de comunicação que estão divulgados no site.

 

Sejam bem vindos.

 

Artur Zen

Como tudo começou

História, Genealogia, Geogenealogia, Geoprocessamento, Geoinformática

21/10/2013